A kundalini e o iogue

Tempo de leitura: 3 minutos

Quando a kundalini* e o iogue ainda vivem na morada de Brahma, situada na base da terra, eles ainda se prendem aos farrapos do corpo e estão cegos por Maya.

É através da disciplina e o progresso consciencial que aos poucos a visão da sua verdadeira morada é revelada.

Estando nessa morada,  o iogue tentou desapegar de seu lar, mas ainda permanecia apegado ao corpo, e na medida em que trilhavam no Dharma* , ia deixando pra trás todos os seus apegos.

Então, saiu a procura de um novo lar, procurou durante algum tempo, então finalmente achou.Sua nova morada era a de Vishnu, situada no coração.

Foi nessa morada que ele pode ter um pequeno vislumbre de Brahman*,depois de tanto tempo cego, agradeceu ao Todo por finalmente poder senti-Lo na morada secreta de seu coração.

Convivendo ali, conseguiu compreender que a verdadeira renuncia que procurava, não é simplesmente doar suas coisas, compreendeu que a verdadeira renuncia é viver com tudo o que tem, mas não se prender. É viver no mundo, mas não pertencer a ele.

Foi ali que ele gostou de viver, suas energias se suavizaram ao adentrar os portões do coração,nessa morada o equilíbrio entre o Céu e a Terra se fez.

Foi ali que conheceu o Prana*, também aprendeu a movimentar suas energias a favor de todo o universo.

Foi ali que a doçura adentrou suavemente os portões do Ser, e ao entrar, um Grande Amor se fez.

Depois de algum tempo auxiliando e projetando suas energias a favor de seus irmãos, o Amor desceu em seu coração de novo e aí o samadhi* aconteceu…

Então saiu da sua morada em busca Daquilo, aquilo que não se podia explicar, aquela experiência que os tornou Um com o Todo.

Então após muito tempo procurando, descobriu que Aquilo não estava  externo, Ele está dentro de todos nós.

Foi  nesse momento em que o iogue, mergulhou dentro de si para achar Ele, Aquele que não se pode descrever,Aquilo que está em Tudo e em Todos. E de repente, o iogue viu todas as moradas que havia passado.

Foi aí que um jorro de luz subiu da base da coluna, passando gentilmente no coração, passando pela Boca Do Dragão, e finalmente chegando ao encontro com o Sr.Shiva, no Lótus das Mil Pétalas*.

Após caminhar com Shraddha* nas trilhas do Dharma, o iogue recebeu Moksha*, deixou de estar na dualidade , e se enraizou na eternidade.

Matheus Prado

São Paulo, 03 de março de  2017.

Notas:

*Kundalini (Do sãnscrito): Enroscada. Seu nome faz referência ao seu movimento ondulatório que se assemelha ao de uma serpente.É também chamada por iogues de Shakti: Força (energia) divina localizada no chacra básico(muladhara).

*Dharma (do sânscrito): missão espiritual, trabalho, dever..

*Brahman (do sânscrito): O Todo; O Supremo; Deus; Pai-Mãe Divino.

*Prana: Energia vital, Força vital

*Samadhi (do sânscrito): Expansão da consciência

*Lótus das Mil Pétalas: referência ao chacra coronário (Sahashara).

*Shraddha (Do sânscrito): Confiança espiritual.

*Moksha (Do sânscrito): Libertação espiritual ( libertação da roda de encarnações).

A kundalini e o iogue
5 (100%) 6 votes

Comentários

Comentários